Synthpop
Origens estilísticas
Contexto cultural 1977–1980; Japão e Reino Unido
Instrumentos típicos
Formas derivadas
Gêneros de fusão
Outros tópicos

Synthpop (abreviação de synthesizer pop)[4] também chamado de electropop ou technopop,[5][6][7] é um subgênero[nota 1] da música new wave,[9][8] pré-definido na década de 1960 e início da década de 1970, pelo uso do teclado sintetizador como o instrumento musical dominante,[8] substituindo progressivamente a guitarra,[10][11] no rock progressivo, música eletrônica, art rock, música disco e, alcançou o auge na década de 1980. O grupo musical alemão Kraftwerk, com o "krautrock", é considerado um dos pioneiros do estilo.[8]

Ele surgiu como um gênero distinto no Japão e no Reino Unido na era pós-punk como parte do movimento new wave do final da década de 1970 até meados da década de 1980. Os pioneiros do synthpop incluem o grupo japonês Yellow Magic Orchestra, e as bandas britânicas Ultravox, the Human League e Berlin Blondes;[carece de fontes?] the Human League usou sintetizadores monofônicos para produzir música com um som simples e austero.

Após o avanço de Gary Numan na parada UK Singles Chart em 1979, um grande número de artistas começaram a ter sucesso com um som baseado em sintetizador no início dos anos 80, incluindo debutantes do final da década de 1970, como Japan e Orchestral Manoeuvres in the Dark, além de recém-chegados como Depeche Mode e Eurythmics. No Japão, o sucesso da Yellow Magic Orchestra abriu caminho para bandas de synth-pop como P-Model, Plastics e Hikashu. O desenvolvimento de sintetizadores polifônicos baratos, a definição de MIDI e o uso de batidas da dance music, levaram a um som mais comercial e acessível para o synthpop. Isto, sua adoção pelos atos conscientes do estilo do movimento New Romanticism, juntamente com o surgimento da MTV, levou ao sucesso de um grande número de artistas de synthpop britânicos (incluindo Duran Duran e Spandau Ballet) nos Estados Unidos.

Synthpop às vezes é usado de forma intercambiável com electropop,[7] mas este também pode denotar uma variante de synthpop que coloca mais ênfase em um som mais pesado e eletrônico.[12] No final da década de 1980, duos como o Erasure e Pet Shop Boys adotaram um estilo que teve grande sucesso nas paradas de dance dos EUA, mas, no final da década, o sintetizador de novas ondas de bandas como A-Ha e Alphaville estava dando lugar a house music e ao techno. O interesse no "new wave" synthpop começou a reviver nos movimentos indietronica e electroclash no final da década de 1990, e na primeira década do século 21, o synthpop teve um avivamento generalizado, com sucesso comercial de artistas como Lady Gaga, La Roux, Owl City, M83 e Chvrches.[13]

Índice

CríticasEditar

O gênero recebeu críticas por alegada falta de emoção e musicalidade; Artistas proeminentes se manifestaram contra detratores que acreditavam que os próprios sintetizadores compunham e tocavam as músicas. O synthpop ajudou a estabelecer o lugar do sintetizador como um elemento importante da música pop e do rock, influenciou diretamente os gêneros subsequentes (incluindo a house music e o Detroit techno) e influenciou indiretamente muitos outros gêneros e gravações individuais.

Notas

  1. É mais semelhante a um estilo de que propriamente um gênero.[8]

Referências

  1. Fisher, Mark (2010). "You Remind Me of Gold: Dialogue with Simon Reynolds". Kaleidoscope (9).
  2. Glenn Appell; David Hemphill (2006). American popular music: a multicultural history. Belmont, CA: Thomson Wadsworth. p. 423. ISBN 978-0155062290. Consultado em 18 de novembro de 2018. The 1980s brought the dawning age of the synthesizer in rock. Synth pop, a spare, synthesizer-based dance pop sound, was its first embodiment. 
  3. «City Pop: A Guide To Japan's Overlooked '80s Disco In 10 Tracks». Electronic Beats. 1 de novembro de 2016 
  4. Trynka & Bacon 1996, p. 60.
  5. Cateforis, Theo (7 de junho de 2011). Are We Not New Wave?: Modern Pop at the Turn of the 1980s (em inglês). [S.l.]: University of Michigan Press. p. 52. ISBN 0472034707. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  6. «unknown». Stereo Review. 48. 1983. p. 89 
  7. a b Collins, Schedel & Wilson 2013, "synth pop (also called electro pop, techno pop, and the like)", p. 97; Hoffmann 2004, "Techno-pop, also termed synth-pop or electro-pop", p. 2153
  8. a b c d Silva, George Batista Da (23 de agosto de 2008). Do Pop Ao Clássico. [S.l.]: Clube de Autores 
  9. Synth pop AllMusic
  10. Ballerini, Franthiesco (3 de abril de 2017). Poder Suave (Soft Power). [S.l.]: Summus Editorial. ISBN 9788532310651 
  11. Cult. [S.l.]: Lemos Editorial e Gráficas. 2006 
  12. Jones 2006, p. 107.
  13. Haynes, Gavin (16 de julho de 2015). «The Synth-Pop Heartbreakers On The "Avalanche Of Sound" On Their New Album» [Os Heartbreakers do Synth-Pop na "Avalanche do Som" em seu novo álbum]. Chvrches Interview. NME Editorial - TI Media Limited. Consultado em 22 de outubro de 2018 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outras mídias sobre Synthpop