Panteão (Paris)

igreja em França
(Redirecionado de Panthéon de Paris)
Panteão
Tipo mausoléu, igreja
Inauguração 1789 (230 anos)
Website oficial
Geografia
Coordenadas 48° 50' 46" N 2° 20' 45" E
Localidade Paris
Logradouro Place du Panthéon, 75005 Paris
País França

O Panteão de Paris (em francês: Panthéon de Paris) é um monumento em estilo neoclássico situado no monte de Santa Genoveva, no 5.º arrondissement de Paris, em pleno Quartier Latin.

À sua volta dispõem-se alguns edifícios de importância, como a igreja de Saint-Étienne-du-Mont, a Biblioteca de Santa Genoveva, a Universidade Paris-Sorbonne, a prefeitura do 5º arrondissement e o Liceu Henrique IV. Da rua Soufflot consegue-se uma perspectiva favorável do Panteão, a partir do Jardim de Luxemburgo.

O nome do monumento, Panteão, vem do grego pántheion (πάνθειον), que significa "de todos os deuses". Originalmente planejado no século XVIII para ser uma igreja que abrigaria o santuário de Santa Genoveva, este monumento tem desde a Revolução Francesa vocação para homenagear grandes pessoas que marcaram a história da França, exceto para as carreiras militares normalmente dedicadas ao Panteão militar de Invalides [nota 1]

Tem 110 metros de comprimento e 84 metros de largura. A fachada principal está decorada com um pórtico de colunas de estilo coríntio que apoiam um frontão triangular da autoria David d’Angers. O edifício, em forma de cruz grega, é coroado por uma cúpula de 83 metros de altura, com um lanternim no topo. O seu interior está decorado por pinturas académicas de Pierre Puvis de Chavannes, Gros e Cabanel, entre outros.

Índice

HistóriaEditar

O Panteão é, indubitavelmente, monumental. Iniciadas em 1764, as obras do edifício foram encomendadas pelo monarca Luís XV, o qual, após recuperar-se de uma grave doença, ordenou ao arquiteto Soufflot a construção de uma basílica em tributo à Santa Genoveva (padroeira de Paris), em substituição à antiga abadia ali existente. Concluído em 1790, sob a gerência de Rondelet, o edifício foi laicizado pelos movimentos revolucionários burgueses, transformando-o em Panteão nacional. Hoje, na cripta, 70 célebres personagens da história francesa repousam – tais como escritores, cientistas, generais e políticos –, motivo pelo qual o frontão contém, inscrito, o interessante brocardo “Aux grands hommes, la patrie reconnaissante” (“Aos grandes homens, a pátria é grata”), junto ao interessante baixo-relevo, de David d’Angers, alusivo à homenagem da pátria francesa a seus imponentes heróis.

ArquiteturaEditar

Descrição geralEditar

O Panteão é um edifício de 110 m de comprimento e 84 m de largura. A fachada principal é decorada com um pórtico de colunas coríntias, encimado por um frontão triangular feito por David d’Angers. Este frontão representa a Pátria (centro) dando Liberdade e protegendo em seu direito as Ciências - representadas por muitos grandes cientistas (François-Xavier Bichat, Berthollet, Gaspard Monge, Laplace ...), filósofos (Voltaire, Jean-Jacques Rousseau ... ), escritores (Fenelon, Pierre Corneille ...) e artistas (Jacques-Louis David ...) - e à sua esquerda a História - representada pelos grandes personagens do Estado (Napoleão Bonaparte ...) e estudantes da Escola Politécnica.

O edifício, em forma de cruz grega, é coroado por uma cúpula de 83 metros de altura, com uma clarabóia. O interior é decorado por pintores acadêmicos como Puvis de Chavannes, Antoine-Jean-Gros, Léon Bonnat ou Cabanel.

Panorama do interior de Panteão de Paris.

Cúpula triplaEditar

 
Copa na cúpula tripla.

Um elemento essencial da construção permanece invisível para o visitante. Enquanto alguém pode pensar que apenas uma cúpula suporta a clarabóia e a cruz em seu topo, na realidade, três cúpulas estão aninhadas uma dentro da outra:

  • A cúpula externa é feita de pedra coberta com tiras de chumbo, e não em uma moldura, como era tradicional na época (como em Saint-Louis-des-Invalides). Sua implementação também é um verdadeiro feito técnico. Adhémar, em seu Traité de charpente,[1] explica a escolha de uma cúpula de pedra pela estabilidade necessária para um grande edifício comumente submetido, pelo vento, a oscilações.
  • De dentro, há uma cúpula em caixão, aberta no centro por um óculo (abertura redonda). Esta cúpula baixa repousa na parte inferior do tambor, no nível da colunata externa, que contrasta o conjunto.
  • Entre essas duas cúpulas, externa e interna, é construída uma terceira cúpula técnica intermediária em forma de meio ovo, que sustenta a lanterna de pedra, que pesa mais de cinco toneladas. É na face interna dessa cúpula que é pintada a L'Apothéose de sainte Geneviève de Antoine Gros, visível através do óculo da cúpula interna. Esta cúpula intermediária não consiste em um manto de pedra contínua como a cúpula externa: ela é perfurada por quatro arcos que permitem que as cargas sejam baixadas da lanterna para os pilares. Os dias, enquanto isso, deixavam a luz das janelas na parte superior do tambor entre as duas cúpulas inferiores para embelezar a pintura da apoteose.
 
As três cúpulas do Panteão de Paris

Este método de circulação de luz pode ser comparado com aquele adotado pelos predecessores de Soufflot; por exemplo, o Panteão de Roma e seu oculus central aberto, ou a cúpula dos Inválidos de Paris, de Hardouin-Mansart. Há também uma cúpula de envelope triplo na Catedral de St. Paul, em Londres, projetada não muito tempo atrás pelo arquiteto inglês Christopher Wren, mas com uma cúpula robusta. O sistema de construção pode ser examinado no modelo feito por Rondelet: está exposto na capela anexada ao norte do edifício[2].[3]

No projeto da cúpula, pesando 17. 000 toneladas, Soufflot usou a curva da "cadeia reversa" no desenho da cúpula intermediária.[nota 2].[4] Isso é influenciado pela teoria do matemático inglês Robert Hooke, publicada em 1678: a curva formada por uma corrente de suspensão, quando invertida, dá a forma de um arco de alvenaria "parfait ", seguindo e contendo a linha de empuxo. , que encontrará uma formulação matemática em 1691, por Jacques Bernoulli, Leibniz e Huygens.

CriptaEditar

A cripta cobre toda a superfície do edifício. De fato, consiste em quatro galerias, cada uma sob cada braço da nave. No entanto, não é realmente enterrado como uma cova desde janelas, no topo de cada galeria, aberta ao exterior.

 
Cripta do Pantheon

Entra-se na cripta por uma sala decorada com colunas dóricas (em referência ao templo de Netuno em Paestum, que Soufflot visitara durante sua viagem à Itália). À medida que avançamos, descobrimos, no centro do edifício, a vasta sala circular abobadada e a pequena sala central, localizada logo abaixo da cúpula. As dimensões da cripta a fazem parecer muito vasta. Os atuais 74 ocupantes não estão limitados, pois a capacidade total é de cerca de 300 lugares. Uma das hipóteses apresentadas para explicar isso seria que Luís XV queria torná-lo um mausoléu para os Bourbons.

Individualidades homenageadas ao serem sepultadas no PanteãoEditar

A primeira mulher a ser sepultada no Panteão de Paris foi Sophie Berthelot, não pelo que fez em vida, mas para a não separar do marido, Marcellin Berthelot. Os túmulos (67 até à data) situam-se na cripta do monumento.

Encontram-se aí (ou, pelo menos, têm um memorial):

O Panteão e a ArteEditar

Sua posição dominante no topo da colina Santa Genoveva, assim como sua forma original atrai, desde a sua construção, o olhar de grandes artistas como Van Gogh, Marc Chagall ou o dos amadores. Símbolo republicano, Victor Hugo o colocará em poema e será o assunto de vários livros.

É agora também um espaço de exposição onde artistas contemporâneos como Gérard Garouste e Ernesto Neto aproveitam o vasto espaço da nave para apresentar suas obras.

Em contraste, o Pantheon tem apenas seis escritores (incluindo: Victor Hugo, Alexandre Dumas, Emile Zola), um único pintor (Joseph-Marie Vien, artista oficial do primeiro Império) e nenhum músico.[5]

AcessoEditar

Este local é servido pelas estações de metrô Cardinal Lemoine e Place Monge.

  Este local é servido pela estação da linha B do RER: Luxembourg.

  Este local é servido pelas linhas de ônibus: 21; 27; 38; 84; 85 e 89.

O acesso ao Panteão é sujeito a cobrança.

Ver tambémEditar

Notas

  1. Esta regra foi estritamente observada desde 1889. No entanto, algumas pessoas já foram citadas no Panteão por feitos de guerra, mas sem ser (ou não mais para o membro da Resistência Charles Delestraint) no curso de uma carreira militar como Georges Guynemer, que engajou após o início da Primeira Guerra Mundial, e dos Resistentes.
  2. Conforme as Mémoires du Ministère du Duc d'Aiguillon et de son commandement en Bretagne, por Honoré Gabriel Riqueti de Mirabeau, 1792, página 288 e seguintes.

Referências

  1. J. Adhémar, Traité de charpente, deuxième édition, Carillan-Gœury et Dalmont éditeurs-libraires, Paris, 1854.
  2. On peut également la visualiser sur le site Internet de l'université Columbia, photos d'architecture au format QT à l'adresse Maquette du Panthéon ou sur celui-ci.
  3. Sur un autre panorama on peut voir également les clochers que Soufflot avait construits à l'origine et qui furent rasés par la suite.
  4. Armand-Louis de Vignerot du Plessis Richelieu Aiguillon, Emmanuel-Armand de Vignerot du Plessis de Richelieu Aiguillon (1792). Mémoires du ministère du duc d'Aiguillon et de son commandement en Bretagne: pour servir à l ... (em French). [S.l.]: Buisson 
  5. «Neuf questions que vous n'osez pas poser sur le Panthéon». Franceinfo (em francês). 27 de maio de 2015